sexta-feira, 12 de setembro de 2014

As facetas culturais de um corpo

Compreender a dimensão simbólica e cultural do corpo, tendo o espaço urbano e contemporâneo como palco privilegiado. Esta é a proposta de O corpo representado – mídia, arte e produção de sentidos (EdUERJ), organizado por Denise da Costa Oliveira Siqueira. Em busca dos valores que a sociedade atribui à engrenagem física do ser humano, os ensaios nos levam a uma trilha composta por cinema, histórias em quadrinhos, videoclipes, revistas e dança contemporânea, entre outros.

Na primeira parte, “Corpo feminino e mídia”, são discutidas representações da mulher, predominantemente a jovem, nos formatos midiáticos, como videoclipes, cartões-postais de praias ou peças publicitárias. Na segunda, o enfoque é a dança contemporânea como expressão artística que permite ao corpo provocar reflexão e contestação, recorrendo mesmo ao grotesco para esses fins. O último segmento, “Corpo, representações e relações de poder”, observa os corpos superpoderosos dos heróis dos quadrinhos, mas também o corpo fragilizado por uma deficiência. Nessa parte, há ainda um capítulo sobre o marketing político dos candidatos provenientes da cultura funk.



Com este enfoque amplo, O corpo representado torna-se uma leitura indicada tanto para quem estuda o corpo e sua representação midiática quanto para os que procuram compreendê-lo como objeto da arte. Assim, pode interessar sobretudo aos pesquisadores de ciências sociais, artes e comunicação, mas também a quem deseja aprofundar o debate sobre a cultura nos dias de hoje.