quinta-feira, 20 de março de 2014

A loucura como camisa de força

Por conta das questões levantadas pelo livro “Crime e Loucura”, disponibilizado pela EdUERJ para download em seu site, lembrei de um filme que me causou muito impacto: “Vincere”, de Marco Bellocchio, de 2009.
O diretor é um ícone do cinema italiano: criou obras maravilhosas como “Bom dia, noite” e “O processo do desejo”, entre outros. “Vincere” é baseado na história real envolvendo o ditador Mussolini e sua primeira esposa Ida Dalser. Ao chegar ao poder, Mussolini renegou seu primeiro matrimônio e,mesmo não sendo solteiro, casou-se de novo. O drama é centrado na luta de Ida Dalser para provar que ela é a esposa legítima do poderoso Italiano.
A reação de Mussolini é aprisioná-la em um manicômio judiciário, alegando tratar-se de um esquizofrênica. E tão grave quanto: renegando Benito Albino, o filho de ambos. 
No manicômio, poucos acreditavam que Ida havia sido realmente a mulher do ditador.  Este casara-se novamente, mesmo diante da impossibilidade judicial (com a ajuda de documentos falsos e a conivência de corruptos).

É emocionante a batalha de Dalser para garantir seus direitos e também os do filho.Mesmo aprisionada, ela não desiste. É Impossível assistir e não torcer por ela.

O filme acaba remetendo ao uso ideológico que se faz do Manicômio Judiciário para calar uma pessoa cuja única loucura é querer provar a verdade. Ou querer ser diferente.

Voltando ao livro de Sérgio Carrara, que fala da aparecimento do Manicômio Judiciario no Brasil. Pode ser baixado neste link:  http://www.eduerj.uerj.br/download/crime_loucura.pdf